Voltaire

Filósofo francês

O filósofo francês Voltaire (1694-1778) foi um dos principais expoentes do Iluminismo, sendo reconhecido como o intelectual mais influente da filosofia moderna. Voltaire foi um dos principais representantes dos ideais de liberdade e tolerância, através dos seus trabalhos pensava acabar com os preconceitos, superstições e fanatismo que marcavam o seu tempo.

Com obras reconhecidas em todo o mundo, Voltaire escreveu mais de mil obras, entre romances, poesias, ensaios e peças teatrais. Algumas das mais conhecidas são "Candido", "O Que É Filosofia?", "Carta à um Senhor Inglês sobre o Desastre de Lisboa" e "Tratado sobre a Tolerância".

Uh dos principais blocos de construção da filosofia de Voltaire é o racionalismo. Ele acreditava que, como seres humanos, temos liberdade para usar a razão para desvendar os misterios do mundo e da natureza, e tendo como base o racionalismo, Voltaire defendia que os indivíduos devessem ter liberdade de expressão tanto na vida pública quanto na privada.

Voltaire foi um grande crítico da Igreja e da teologia católica. Ele acreditava que as crenças religiosas deveriam ser discutidas livremente e que a crença religiosa não deveria ser imposta a ninguém.

Em suas obras, Voltaire também defendia o direito à liberdade de expressão e rejeitava a exposição de pessoas que apoiavam idéias diferentes daquelas impostas pelo líder. Ele também acreditava que deveria haver tolerância religiosa, pois a falta de tolerância causava ódio e desavenças entre os grupos sociais.

Voltaire acreditava que as pessoas deveriam buscar sua felicidade e que os líderes deveriam estar a serviço daqueles que lideravam, para garantir o bem-estar e a felicidade da população. Ele também defendia que os governos deveriam ser voltados para o interesse público.

Voltaire foi considerado um dos pensadores mais importantes da história e, até hoje, suas idéias sobre liberdade, tolerância e moral continuam sendo citadas e discutidas. O filósofo francês foi um grande crítico dos atrocidades cometidas durante a época do Iluminismo e defendeu com veemência o direito à liberdade individual e à tolerância.

Morte e legado de Voltaire

Voltaire morreu em 30 de maio de 1778. A revista o exaltou como "o maior, o mais ilustre e talvez o único monumento desta época gloriosa em que todos os talentos, todas as artes do espírito humano pareciam haver se elevado ao mais alto grau de sua perfeição".

Restos mortais de Voltaire

A família de Voltaire quis que seus restos repousassem na abadia de Scellières. No entanto, houve uma proibição do bispo de Troyes para o enterro do corpo do filósofo na abadia.

Controversia no enterro de Voltaire

Apesar da proibição do bispo de Troyes, o corpo de Voltaire foi enterrado na abadia de Scellières. O prior da abadia informou ao bispo que seu aviso chegara tarde, pois o filósofo já tinha sido enterrado.

Criticas a Voltaire sobre religião

Livros históricos afirmam que Voltaire tentou destruir a Igreja, favorecendo a maçonaria. Suas visões críticas sobre a religião são bem documentadas e formam uma parte importante de sua legado.

Homenagem a Voltaire após a Revolução

A Revolução Francesa levou em triunfo os restos de Voltaire ao Panteão de Paris - uma homenagem a 'grandes homens'. Na escura cripta, frente ao túmulo de seu inimigo Rousseau, permanece até hoje a tumba de Voltaire com um epitáfio honroso.

Voltaire
Nome Completo: François-Marie Arouet
Nascimento: 21 de novembro de 1694

Local: Paris

Morte: 30 de maio de 1778 aos 83 Anos
país de nacionalidade França
obra destacada Cândido, ou O Otimismo
formação Lycée Louis-le-Grand